Banner
Voltar para Ideas

#Grandes pensadores

O legado inspirador de Karl Popper

O legado inspirador de Karl Popper

Há 23 anos, em Londres, morria o filósofo austríaco Karl Popper. Na juventude, foi membro ativo do Partido Comunista da Áustria, mas o amor à causa vermelha durou pouco. Quando questionou os líderes do partido sobre a morte de vários colegas em uma manifestação, obteve a resposta de que elas foram necessárias para realizar a revolução. A partir daí, começou a questionar a ideologia marxista e tornou-se um de seus mais rigorosos críticos, dissecando vários de seus fundamentos filosóficos no livro A Sociedade Aberta e Seus Inimigos, de 1945.

Apesar de sua grande contribuição na filosofia social, Popper iniciou a carreira acadêmica na Física e construiu uma obra robusta na área da epistemologia e da filosofia da ciência antes de enveredar nas reflexões sobre a sociedade. Nesse sentido, Popper foi o fundador do chamado racionalismo crítico, ideia de que devemos nos guiar pela razão, mas jamais de uma maneira cega, e sim através de uma razão crítica, consciente de suas próprias limitações.

É fácil de entender, assim, a substância contida em livros como A Miséria do Historicismo e o já citado A Sociedade Aberta e Seus Inimigos. Popper destacou sobretudo a necessidade de desconfiar da arrogância dos profetas, aqueles que desejam guiar a sociedade numa direção específica como se fossem plenos conhecedores de toda a realidade. 

Popper dissecou os principais antagonistas filosóficos da sociedade aberta, identificados por ele em Platão, Hegel e Marx. Para o austríaco, o fundamento da sociedade fechada é o tribalismo: o comportamento de grupos que atuam com base no coletivismo, dividindo o mundo entre nós x eles, amigos x inimigos, desprezando a riqueza e a multiplicidade da individualidade humana, confiantes de que possuem conhecimento das leis fundamentais que regem a História.

Em 1947, Popper participou da fundação da Sociedade Mont Pelerin, instituição dedicada à promoção do liberalismo, em conjunto com personalidades do porte de Friedrich Hayek, Milton Friedman e Ludwig von Mises. Hoje, relembramos o seu legado em defesa de uma sociedade aberta, tolerante, plural e livre, onde as pessoas possam desenvolver ao máximo suas potencialidades individuais em busca da felicidade.