Banner
Voltar para Ideas

#Exemplo internacional

A liberdade é essencial na educação da Finlândia

A liberdade é essencial na educação da Finlândia

O sistema de educação na Finlândia é avaliado como um dos melhores do mundo, e talvez você tenha ouvido falar que é bom porque os governantes de lá são mais sérios e gerem as escola com mais boa vontade. Não que a gente duvide que os políticos finlandeses sejam melhores que os brasileiros, mas a receita do sucesso da educação no país é outra: a descentralização. Sem métodos pedagógicos revolucionários, jornadas longas, muitos dias letivos ou exames gigantescos (e caros) como Enem ou Enade, a Finlândia aposta na liberdade para as escolas e os professores trabalharem, tornando o centro de decisões mais próximo dos alunos e de suas famílias.

Diferente do MEC, o governo da Finlândia não define o currículo, nem determina o material a ser usado por cada escola. Com realidades e alunos diferentes, cada escola – e cada professor – tem total liberdade para planejar suas aulas de acordo com o perfil e ritmo de aprendizagem dos estudantes. Os professores têm muita autonomia, mas precisam ser bem qualificados. Para conquistar a vaga, é preciso ter mestrado e passar por treinamento.

“Na (educação da) Finlândia não temos a figura do Estado (União), a relação fica entre município, escola e professor”, explica a diretora do Ministério da Educação da Finlândia, Jaana Palojärvi, que faz questão de frisar que o segredo do sucesso não está ligado necessariamente a um grande investimento financeiro (o país investe apenas 6% de seu PIB no segmento, contra 5,2% do Brasil). “Não sai tão caro assim, é uma questão de organização”, defende. A Finlândia é uma prova de que o centro de decisões mais próximo do cidadão funciona melhor que um planejamento central pelo governo federal, algo que se torna ainda mais grave em países de dimensões continentais e realidades completamente distintas, como o Brasil.

Sabemos que a realidade da Finlândia é bem diferente do Brasil, mas será que descentralizar a educação não seria um bom caminho por aqui também?